quarta-feira, 25 de julho de 2012

Menino x menina


Esses dias eu estava  conversando com as gurias sobre ter menino ou menina, etc. e tal. Aí comentei, e registro aqui, que eu sempre pensei que menina é que era um prazer vestir, que a gente faz das meninas nossas bonequinhas, com suas roupinhas fofas e tal. Mas descobri que com menino também é assim! Eu curto muito escolher a roupinha do Caio, ver ele bonitão, combinadinho, vestido mais menininho ou mais neném... enfim, acho uma diversão da mesma forma como tenho certeza que com menina também é (embora menina tenha mais acessórios, eu sei!)!

Aí lembrei também de um diálogo que tive com a mãe quando ela estava aqui. Foi mais ou menos assim:

Eu: Nossa, ter menino é muito bom, né?
Mãe: Ah, é ótimo!
Eu: É, eu que sempre me imaginei com uma filha, tô curtindo muito ter um menino, essa paixão, bom demais!
Mãe: Ahhh, tens toda razão. Ter menino é mesmo essa maravilha, não sei o que é, é assim tão...
Eu, interrompendo: “Pó pará”, mãe!!! Já elogiasse o suficiente, mostrasse bem o quanto é bom ser mãe de menino! Já deu!

hahahahaha

terça-feira, 17 de julho de 2012

Sparkling


Mesmo com a maternidade ficando melhor e mais feliz a cada dia, um pensamento que eu tinha presente antes era de que isso de ter um serzinho tão importante pra ti sob tua inteira responsabilidade era uma pressão e tanto... E que a minha felicidade agora sempre dependeria da dele. A importância que o Caio tinha adquirido pra mim era overwhelming. Essa é a palavra. Eu acabava concluindo minhas reflexões com a ideia de que a maternidade é muito difícil, de que esse sentimento que vem com ela é difícil.

Mas nas últimas semanas esse feeling passou. Parece que a condição de mãe agora se assentou em mim, que encaixou uma coisa na outra. Ficou leve. E a alegria plena que hoje sinto de ter o Caio em minha vida não dá nem pra explicar em palavras!

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Nana, Nenê – resenha


Finalmente tive a chance de ler o livro “Nana, Nenê”. Como eu já tinha ouvido muito falar dele – gente que ama, gente que critica a rigidez do método –, resolvi escrever um post pra dar a minha humilde opinião! J

Em termos de conteúdo eu não achei o livro nem espetacular e nem tão rígido no seu método. Explico.

Nada espetacular se comparado ao livro da Encantadora de Bebês (da Tracy Hogg), que é muito mais rico em argumentação para cada postura defendida, bem como muito mais didático e detalhista nas sugestões de cuidados, brincadeiras, ensinamentos etc. para o bebê. Os dois livros têm sim várias filosofias em comum, como eu já suspeitava, mas a leitura da obra de Tracy Hogg é definitivamente mais prazerosa e mais esclarecedora.

E tampouco achei o método defendido pelos autores do Nana, Nenê assim tão duro! Ao contrário, eles falam até de situações em que se pode pegar o bebê no colo (no caso da hora de dormir, por exemplo). Achei que eles deixaram espaço suficiente pra flexibilidade e bom senso da mãe.

Agora o que eu realmente não gostei desse livro foi a tradução! Que mal feita! Que leitura pouco fluida por causa de estruturas frasais estranhas, artificiais, que não correspondem ao nosso jeito de falar ou escrever. Por isso, pra quem sabe inglês é sem dúvida melhor ler no original.

De qualquer forma, sempre vale a leitura. Assim, você pode fazer a sua própria resenha! J

segunda-feira, 2 de julho de 2012

MORE SLEEPING DRAMA

Featuring: o bico (ou a chupeta)


Depois de nossas saudáveis discussões sobre como ensinar o bebê a dormir sozinho, estava tudo bem aqui em casa. Eu sempre colocava o Caio pra dormir acordado, ele podia até reclamar um pouquinho, mas acabava dormindo por si só na boa, sem grandes dramas.

Inclusive, depois de algumas semanas com  o Caio dormindo direto das 7h30 da noite até as 5 h da manhã, eu tinha decidido que ia dar o “dreamfeed” pra ele (aquela mamada as 10/11 h da noite, com o bebê dormindo mesmo) pra ver se esse período de sono não acabava indo até as 7 ou 8 h. Levou mais umas duas semanas, mas um dia, do nada, ele só acordou as 7h, e a partir daí passou a ser sempre assim (estamos há uns oito dias nessa)!

O que estava acontecendo já antes disso, e que até então não me parecia um problema, é que o Caio acordava uma ou duas vezes no meio da noite, nos mais diferente horários, reclamando pelo bico. Eu simplesmente esticava o braço e dava o bico pra ele, e em menos de 10 segundos nós dois voltávamos a dormir. No big deal.

O negócio foi que essas acordadas começaram a ficar mais e mais frequentes, até que nesta última noite eu não dormi nem duas horas seguidas sem interrupção. Eu não contei, nem ficava vendo a hora, mas acho que Caio acordou entre 10 e 15 vezes! Pois esta manhã eu estava acabada, com uma olheira que eu não tinha tido ainda, nem quando eu tinha que acordar a cada 3 horas pra dar de mamar...

Decidi pesquisar sobre o assunto, e o que não falta na internet é fórum de discussão sobre isso. Li daqui e dali, vi soluções que outras mães encontraram – a maioria optou por ensinar o bebê a dormir sem bico, umas deixavam o bebê chorar, outras no máximo por uns minutos –, já tinha até dito pro De que à noite conversaríamos sobre isso. Mas daí pensei que na quarta o Caio vai pra creche (era segunda-feira) e que preciso ter isso solucionado antes. Resolvi começar agora mesmo.

Eu já escrevi aqui que não gosto de deixar o bebê chorar, mas sabia que pra ensinar o Caio agora, uns cinco minutos eu ia ter que aguentar. Pensei também que ia ficar anotando a evolução da coisa, minuto a minuto. Foi uma boa ideia, pois isso até me “distraiu” um pouquinho do drama. Eis o que aconteceu:

12:40 – Caio já tinha me mostrado que estava cansado. Tinha acabado de mamar bem, trocar a fralda, e estava assim pronto pra ir pra cama. Expliquei pra ele que era hora de dormir, mas que ia ser sem bico esta vez, que ia ser melhor pra todo mundo, etc, etc.

12:44 – Coloquei ele na cama, como sempre, e ele na hora começou a chorar de verdade. Falei o que eu falo normalmente e saí do quarto. Meu plano era aguentar cinco minutos. Mas não deu.

12:47 – Entrei no quarto e fui conversar com ele. Disse que ele não precisava do bico pra dormir, que estava tudo certo, e que eu tinha certeza que ele conseguiria dormir sem bico. Que eu estava ali, que ele não estava sozinho, e que era só questão de ele se habituar, questão de prática. Pedi desculpa por ter acostumado ele com o bico, mas que ia ser melhor ele não depender mais disso pra dormir. Que nós dois vamos acabar dormindo melhor e,  portanto, vamos nos sentir melhor durante o dia também. E falei, falei, falei. Ele chorando o tempo todo. Dei uns beijinhos nele e saí do quarto. Eram 12:48 h.

12:50 – Caio para de chorar. Fui espiar e ele estava com a maior carinha de resignado, chupando as mãozinhas, tentando realmente dormir sozinho. Meu olho encheu de lágrima, acreditam? A resignação dele me emocionou... Ele ficou nessa até...

12:55 – Começou a chorar de novo, mas de forma mais leve. Ficou chorandinho e tentando dormir por cinco minutos.

13:00 – Fiquei super na dúvida se deveria ter feito isso, mas acabei entrando no quarto de novo pra falar com ele. Adivinhem? Começou a chorar forte de novo. Repeti um pouco do que disse antes e um minuto depois saí do quarto.

13:04 – Caio parou de chorar.

13:05 – Ameaçou voltar a chorar, mas desistiu.

13:06 – Silêncio. Vou espiar e ele está quase dormindo – abrindo e fechando os olhinhos.

13:07 – Dormiu de vez com uma carinha de triste que quase me fez chorar de novo! J

Bom, ele foi acordar só às 3:30 h. Mamou, brincou, e perto das 5h eu comecei a achar que ele estava cansado de novo. Mas como ele tinha dormido 2,5 horas antes, eu estava meio insegura quanto a esse fato. De qualquer forma, resolvi tentar. E eis o que aconteceu dessa vez:

16:57 – Coloquei Caio na cama. Ele começou a chorar. Mandei pra ele o papo de que ele é mais forte que o bico de novo. E saí do quarto.

17:00 – Entrei no quarto e repeti o blá-blá-blá.

17:01 – Saí do quarto. Dessa hora até as 17:08, ele parava de chorar, dava uns segundos e recomeçava. Fez isso inúmeras vezes, só que o intervalo pra recomeçar a chorar foi ficando maior e o choro, mais leve.

17:12 – Dormiu!

Aí vejam que azar.Eu tinha esquecido de ligar a babá eletrônica. Aí fui com todo o cuidado entrar no quarto pra ligar. Na hora em que eu liguei, ele acordou, me viu e começou a chorar tudo de novo!....

Aí ele chorou por dez minutos, voltei lá, falei com ele de novo e saí. Nisso já eram 5h25. Ele continuou chorando por outros dez minutos e aí o que acabou foi minha tolerância em ver meu filhinho tão estressado. Fui lá e tirei ele da cama.

Aí fiquei toda indecisa do que fazer. Conversando com o De, resolvemos que esta noite, quando ele começar a reclamar, vamos esperar pra ver se ele volta a dormir sozinho. E se for o caso de começar o “treinamento” de novo, vamos fazer isso no sábado, porque aí temos quatro dias antes de ele ir pra creche.

Fiquei também pensando se o fato de ele dormir no meu quarto não acabou contribuindo pra essa situação, pois se ele estivesse no quarto dele talvez eu nem ouvisse as reclamaçõezinhas noturnas, e ele tivesse naturalmente aprendido a voltar a dormir sozinho.

Também me pergunto se tem como tirar o hábito do Caio de dormir com o bico mas continuar usando o bico durante o dia, quando ele está mais inquieto. Ou se tem que ser tudo ou nada...

Alguém aí já passou por isso? Alguma ideia ou sugestão?