domingo, 11 de maio de 2014

O SEGUNDO “TOMBO”

No primeiro post que escrevi para este blog eu falei sobre a descoberta da minha primeira gravidez. Terminei com as seguintes palavras: “Mais tarde, me dou conta e caio em mim... Caio em minha vida.”

Hoje venho falar de outra vez que “caí em mim”. Outro desses tombos sublimes. Mas eu não estou falando de uma queda propriamente dita.

No dicionário, a palavra “tombo” tem vários significados; uns que explicam melhor o que quero dizer.

DO HOUAISS:

Regionalismo: Brasil. Uso: informal.
habilidade física ou mental de uma pessoa; capacidade, perícia, gênio, inclinação
Regionalismo: Brasil. Estatística: pouco usado.
designação que se dá a uma pessoa para significar que ela é ativa, diligente etc.


Ou seja, estou falando desses tombos que te promovem capacidades, que te deixam mais ativa ante a vida, mais diligente. São tombos que são presentes (de Deus, da vida, do Universo...), são por isso tombos sublimes.

Quando Caio completou um ano de idade, decidimos que eu pararia com o anticoncepcional. Um mês tomando ácido fólico e dando um tempo ao organismo, e depois disso abrir corpo, mente e alma pra receber a dádiva.

Nos três primeiros meses de tentativa eu SEMPRE achava que tinha engravidado, sentia “sintomas”, comprava o teste e... negativo. Na terceira vez cheguei a fazer o exame de sangue, tamanha a minha certeza de gravidez! Eu não acreditava nos negativos dos três testes de farmácia que tinha feito, pode? No sétimo dia de atraso da menstruação, tive que aceitar... Meu período veio então no dia seguinte. Nunca antes na vida tive tamanho atraso... Mas a mente é mesmo poderosa, não é?

Decidi ver uma médica. Na Nova Zelândia, deve-se consultar primeiro um clínico geral. Tenho a sorte de ter uma amiga trabalhando numa clínica que marcou uma consulta pra mim com uma GP (General Practitioner) que tinha trabalhado anos como obstetra. Conversamos bastante e o papo com a médica me acalmou. Combinamos que eu relaxaria durante os próximos três meses, e que se não desse nada, eu voltaria lá pra fazer alguns exames. Coincidentemente, seriam também os nossos últimos três meses na NZ, antes de mudarmos de volta ao Brasil. Consegui mesmo desencanar. E nos três meses seguintes, ao contrário dos primeiros, eu logo tinha a certeza que não tinha engravidado.

Eu queria muito, muito chegar grávida no Brasil, poder já dividir a notícia com as pessoas pessoalmente (qualquer semelhança com a primeira gravidez não é mera coincidência!). Mas uma semana depois do período fértil no sexto mês de tentativa, como eu não tinha sentido nada de diferente, eu logo assumi que não tinha dado de novo. Bateu aquela tristezinha básica, mas bola pra frente. Nesse período pré-mudança de país, com mil coisas pra fazer, a verdade é que eu nem tive muito tempo pra ficar remoendo isso.

Até que chegou o dia de ficar menstruada e nada. Mas atrasos de alguns dias podem ser comuns... No dia seguinte, à noite, ao colocar o pijama, este raspa no meu peito e.....  aiiii, doeu! Opa! Entre todos os sintomas de gestação, o único que eu considerava exclusivo de gravidez era justamente a sensibilidade extrema nos mamilos, que eu não tinha de fato sentido nos meses em que achei que estivesse grávida! ... Será? E o medo de fazer o teste agora? Esperei mais uns três dias e resolvi encarar.

Era hora do almoço do dia 30 de agosto de 2013. Estávamos só eu e Caio em casa. Não demorou dez segundos pros dois risquinhos aparecerem no teste... e não demorou cinco segundos para as lágrimas caírem. Lágrimas que caem, que tombam, que me certificam de minha “habilidade física” divina de gerar uma vida, que me falam de minha “inclinação” para ser mãe mais uma vez, que me despertam este zelo instintivo, esta “diligência” natural que nós mães temos em relação aos nossos filhos. Novamente caio em mim, em minha vida. Sinto a sublimidade de um segundo tombo.

Viro para o Caio e digo: “Filho, a tua irmã chegou!”

6 comentários:

  1. Danada! E já sabia que era menina! Viva a Dora! Que a gente Adora! Beijos, angela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua querida! Tu sempre inspirada, né? :) bjssssssss

      Excluir
  2. Que texto mais lindo, Du!
    Fiquei muito muito emocionada. Por vários motivos: as saudades enormes dessa época que você tava aqui e dividia comigo todos esses sentimentos, a tua profunda consciência do que aconteceu/está acontecendo na tua vida com a chegada da Dora, uma ponta de tristeza por ter perdido o bonde de ser sua pregnancy buddy de novo e muita felicidade de te ver plena e realizada com seu casalzinho.
    A Dora é mesmo muito espertinha, entrou na hora certa e na casa certa. Não digo que ela tem sorte de ser tua filha e do De porque não acredito que isso seja sorte. Você merece, amiga!
    Te amo muito e já amo essa pequenina também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E tu sempre me emocionando com teus comentários que vêm do fundo do coração, do fundo da alma! Impossível ler sem chorar! Obrigada, amiga, por cada palavra de carinho, amizade e amor! Mesmo longe, sigamos juntas! bjssssssss

      Excluir
  3. Dudu, sempre arrasando com os teus textos! Que bom "te ler" de novo:)

    Viva a Dorinha!

    Olga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E viva a madrinha da Dora também!! :)

      Excluir